GRCS

04/11/2020

Trabalhadores resistem e obtêm ganhos reais em negociações

Comunicação SEESP*


Laerte cifraoIlustração: LaerteEm meio a grave crise econômica gerada pela pandemia do novo coronavírus, quase metade das negociações que resultaram em reajustes salariais obtiveram ganho real. Segundo o Mediador, do Ministério da Economia, os trabalhadores garantiram aumentos reais em 43% das negociações realizadas que resultaram em reajustes, cujo total foi de 4.938 de janeiro a agosto deste ano, registrados até a primeira quinzena de setembro.

 

Os dados também apontam que 29% das negociações resultaram em acréscimos iguais aos da inflação e 28% em perdas reais, com base na variação da inflação desde o último reajuste de cada categoria pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A variação real média dos salários em 2020, até o momento, é ligeiramente negativa: - 0,07%.

O melhor resultado no ano é de junho, quando 53% dos reajustes ficaram acima da inflação, e somente 14%, abaixo. O pior foi registrado em janeiro, quando ganhos reais foram observados em 30% das negociações, e perdas, em 36%. Resultado parecido ocorreu em agosto, quando houve aumentos reais em 36% dos reajustes, e iguais e abaixo do INPC corresponderam a 32% - em ambas as situações.

O aumento da inflação nos últimos meses, captado pelo IBGE e também pela Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), traz incertezas para as negociações de fim de ano. A situação fi ca mais imprevisível ainda por causa da situação econômica do país.


Dificuldades
Os dados demonstram que as dificuldades em negociar reajustes salariais durante a pandemia são grandes. Vários acordos ou convenções coletivas explicitaram a crise gerada pela Covid-19 como motivo para o adiamento da negociação. O fenômeno começou a ser revertido em agosto, quando um conjunto de categorias com data-base no primeiro semestre registrou aditivos com reajustes salariais, alguns deles sem efeito retroativo.

Outra consequência gerada pela crise é o aumento do número de categorias que obtiveram reajuste de 0% em 2020. Ao todo, somam 373 até 31 de agosto (8,4% do total considerado). Em 2019, em igual período, eram 33 categorias (0,4% do total considerado). Na análise, categorias com reajuste zero foram consideradas no cômputo das que tiveram reajuste em 2020. Apesar das perdas causadas pelos reajustes de 0%, na média, as categorias que alcançaram reajustes em 2020 conseguiram repor a inflação, resultado importante, levando em conta o cenário complicado do ano.

* Dados do boletim do Dieese "De olho nas negociações" que pode ser acessado neste link.


Lido 278 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda