GRCS

18/09/2020

Imposto no livro 'matará indústria editorial', adverte Alexandre Martins Fontes

Agência Sindical

"Governos devem facilitar o acesso à leitura, não o contrário". É o que afirma Alexandre Martins Fontes, diretor-executivo da Edtoria WMF e da Livraria Martins Fontes Paulista. Em live da Agência Sindical na quarta-feira (16/9), ele criticou o item da reforma tributária proposta pelo ministro Paulo Guedes, que prevê a taxação de 12% nos livros.

 

martins fontes editorEditor acredita que sociedade rejeitará taxação de 12%/Foto: Divulgação Livraria Martins Fontes

 

Para o editor, há 40 anos no ramo, a proposta expressa insensibilidade sobre educação e cultura. "Guedes foi muito infeliz quando disse que o livro é consumido por uma elite, que pode pagar mais. Editoras e livrarias não vão suportar. Haverá mais desemprego", adverte.

 

Confira abaixo os principais trechos:

 

Insensibilidade - Essa proposta mostra a insensibilidade do governo federal sobre a importância da educação e da cultura. Desde 1946 livro é isento. E isso foi confirmado na Constituição de 1988, como reconhecimento do valor da educação e do livro. A última coisa de que o Brasil precisa é um imposto desses.

 

Acesso - O governo deve trabalhar para que o livro chegue a um maior número de pessoas; mas essa proposta faz o contrário, dificulta o acesso. Sua implementação vai significar o desaparecimento de grande parte das livrarias. Grandes ou pequenas.

 

Margem - Uma boa livraria tem um lucro em torno de 4%. Se você soma aos custos o imposto de 12% acaba com a margem de lucro. Vale alertar que essa ideia vem em um momento de pandemia, quando as livrarias fazem um esforço enorme pra sobreviver.

 

Emprego - O impacto será dramático. O livro é produzido essencialmente por pessoas. Você tem uma gama de profissionais na cadeia de produção. Essas pessoas correm risco de perder o emprego. A editora pode incluir no preço do livro esse novo imposto, mais isso vai gerar em média 20% de aumento no custo final.

 

Ações - Temos feito um trabalho de convencimento da sociedade como um todo, incluindo jornalistas, políticos e população, a fim de mostrar o quão ruim é para o País. O que o governo vai arrecadar não resolve os problemas econômicos nacionais. Pelo contrário, destrói a indústria editorial. Por isso, estamos falando com os parlamentares, pois a proposta será votada no Congresso. Vamos persistir, dialogar e mostrar nossos argumentos.

 

Impacto - A medida é ruim para o editor, mas dramática para o livreiro. A editora depende da livraria. Portanto, atinge toda empresa ligada a livros. Que País é esse que deseja o desaparecimento do setor livreiro e de todos esses empregos?

 

Receptividade - A recepção da sociedade tem sido positiva na defesa dos livros e do direito à cultura. Paulo Guedes foi muito infeliz quando disse que o livro é consumido por uma elite, que pode pagar esse valor a mais.

 
Acesse o site da Martins Fontes Paulista.

 

Clique aqui e assista na íntegra.


Lido 172 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda