GRCS

20/07/2017

Desemprego afeta autoestima de trabalhador

Perder o emprego quase sempre provoca sofrimento, tanto para quem ficou desempregado quanto para familiares e amigos próximos. Mas e quando a situação perdura por muito tempo ou obriga o profissional a mudar de atividade e aceitar outros tipos de trabalho?

Marcelo Afonso Ribeiro, do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP), aponta que o trabalho é algo central para a vida das pessoas. E no momento em que se perde o emprego, há a perda “da referência de vida”, já que muitas vezes o indivíduo tem de exercer uma profissão diferente daquela que estudou para garantir sua sobrevivência. Para ele, em tal situação, “a pessoa vai perdendo o sentido do trabalho em seu significado e, ao invés de se tornar algo prazeroso, se torna um fardo”, causando impactos também para as pessoas que convivem com o sujeito, independentemente de seu gênero ou situação socioeconômica. Em muitas situações de desemprego, a pessoa carrega um sentimento de culpa, como se ela tivesse gerado tal situação, ou por uma suposta falta de estudo ou de esforço.

O docente do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do IP considera que o discurso da crise e dos altos índices de desemprego tem forte impacto sobre a população, mas salienta que é necessário que o indivíduo se localize dentro desse discurso e pense o quanto tais números influenciam em sua vida. “Essa avaliação nem sempre é fácil, porque somos sempre ‘bombardeados’ de que a situação ‘está ruim’, diz. Ainda segundo ele, em meio ao sentimento de impotência diante de tal discurso, o trabalhador acaba por se sentir fragilizado em termos de poder de negociação, aceitando trabalhar em situações que normalmente não aceitaria.

 

Notícia do Jornal da USP
Comunicação SEESP

 

 

 

 

 

Lido 1167 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

agenda