logo seesp ap 22

 

BannerAssocie se

02/06/2017

Opinião – Divulgação da ciência em Star Wars?

Adilson Roberto Gonçalves*

Fãs dirão que a saga de ficção não foi idealizada para contextualizar fatos científicos ou promover a ciência. Em contraposição a outros filmes e séries de sucesso, Star Wars não é aquela que prima por ser baseada na ciência, mas alguns fatos e situações podem ser inferidos e aproveitados, antes mesmo que houvesse, ao menos aqui no sul da América, rótulos como geek, nerd e outros.

Predominam os aspectos sociais de conflito filho-pai, ditadura-democracia, fé-evidências, adolescente-adulto, que são norteadores dos enredos, com marcante inspiração shekespeareana. No âmbito das humanidades, é nítido o paralelo com a realidade, por meio da perda do relato histórico, uma vez que guerras e sistemas de governo parecem esquecidos, com surpresas sobre fatos e acontecimentos, uma vez que não deve ter havido documentação ou ela foi perdida.

Há, no entanto, espaço para a questão científica.

A inteligência artificial é apresentada no filme desde o início, contrapondo a confiança em uma unidade R2-D2 com as características quase humanas e de falta de sensibilidade de C-3PO.

As viagens espaciais de longa distância são tidas como corriqueiras a velocidades acima da velocidade da luz. Apesar dessa impossibilidade, o efeito especial da forma de mudança do espaço é semelhante ao que modernamente se especula como “buracos de minhoca”, ainda que no plano puramente teórico.

O fã sempre quer algo mais de seus filmes prediletos e Star Wars foi até pouco tempo atrás líder nas citações do site moviemistakes.com, que lista os erros de filmes, mostrando não a crítica e, sim, a atenção maior que o filme possui. A cena do stormtrooper chocando-se com o teto da porta metálica foi o mais curtido e as edições em DVD realçaram o som da batida.

Star Wars pode também ser instrutiva por aquilo de equivocado que o filme apresenta, como as explosões sonoras no espaço que, apesar da forte crítica, foram amplamente utilizadas como exemplo da necessidade de meio material para a propagação de ondas de som. No filme, diferentes seres convivem e diferentes linguagens podem ser facilmente entendidas, sendo a cena da cantina em Mos Eisley a mais típica dessa improvável interlocução. Somente no final de 2016, com o filme “A chegada”, é que o assunto de comunicação intergaláctica passou a ser explorado de forma aprofundada e competente em filmes de ficção científica.

Assim, Star Wars, além de ótimo entretenimento, é uma porta para se deslumbrar com a ciência e também para descobrir o que a ciência não é.

 

 



Adilson Roberto Gonçalves é doutor em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), livre-docente pela Universidade São Paulo (USP) e pesquisador do Instituto de Pesquisa em Bioenergia da Universidade Estadual Paulista em Rio Claro (Unesp - Rio Claro).

 

 

 

 

Lido 1782 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Receba o SEESP Notícias

E-mail:

agenda