GRCS

20/01/2016

Incêndio obriga discutir engenharia de segurança no Porto de Santos

Em menos de um ano, acontece um novo incêndio de grandes proporções em terminais de armazenamento no Porto de Santos (litoral de São Paulo). Dessa vez foi na margem esquerda do maior complexo portuário da América Latina, na cidade de Guarujá. Em 14 de janeiro último, o fogo atingiu mais de 50 contêineres com produtos químicos os mais diversos no terminal Localfrio. Em abril de 2015, o fogo destruiu seis tanques de armazenamento de álcool anidro e gasolina da empresa Ultracargo.

A situação exige atenção redobrada e um debate aprofundado sobre as atividades no porto e o resguardo da população da região, analisa o presidente da Delegacia Sindical do SEESP na Baixada Santista, Newton Guenaga Filho. Para ele, não são apenas esses dois acidentes que devem chamar a atenção. E explica: “Devemos ampliar a nossa visão e considerar, em termos de incêndio, os ocorridos nos armazéns de açúcar. Alguma coisa está acontecendo no maior porto da América Latina. A segurança é um dos fatores a serem considerados.”


Foto: Beatriz Arruda/SEESP
Guenaga foto Bia editada 
A prevenção é a melhor forma de se evitar acidentes como os que
estão ocorrendo no Porto de Santos, defende Guenaga 


Guenaga ressalta que a medida mais correta é sempre a prevenção, que, segundo ele, começa com o projeto de instalação, a devida execução, depois a fiscalização, manutenção e aprimoramento das medidas mitigadoras preventivas, porque a prevenção sempre evolui com a tecnologia. “E nada disso dispensa o plano de emergência.”

Diante de tantas ocorrências, Guenaga defende a formação de uma “força-tarefa” envolvendo órgãos federais, estaduais, municipais para fiscalização e eventual intervenção em cada armazenamento existente no porto, “mas para que isso aconteça precisa existir vontade política para mexer nesse vespeiro”.

O dirigente observa que quando a engenharia de segurança está presente e é aplicada em todas as fases do empreendimento (projeto, execução, ampliação, operação, manutenção e fiscalização) os riscos de acidentes são afastados cada vez mais. “A palavra-chave é se antecipar aos riscos e corrigi-los no seu nascedouro, na sua origem”, ensina.


 

Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP









Lido 2430 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda