Logos

GRCS

Sindical – Tecnologia permite passe livre para desempregados

Avalie este item
(0 votos)

Entre as medidas emergenciais defendidas pelo movimento sindical diante da crise socioeconômica está a garantia de passe livre para desempregados. A medida contribui, na visão de Edilson Reis, diretor do SEESP, na busca por recolocação no mercado. “Tecnologia tem”, assegura ele, que integra o Grupo de Transporte, Trânsito e Mobilidade (GTTM) da entidade. O analista político João Guilherme Vargas Netto ratifica e acrescenta: “Os obstáculos não são técnicos ou sequer de caráter legal.”


Na Capital o benefício é garantido pela Lei Municipal nº 10.854, de 22 de junho de 1990. Regulamentada por decreto durante a gestão de Luiza Erundina (1989-1992), momento em que a gratuidade chegou a funcionar, enfrentou a interrupção nos governos seguintes. A alegação era de que o decreto (nº 28.813/1990) não garantia o suporte técnico e competências institucionais para a viabilidade do passe livre – o que chegou a ser questionado por entidades sindicais na Justiça. Esse argumento perderia efetividade em novembro de 2015, quando o então prefeito Fernando Haddad (2013-2016), também por meio de decreto (nº 56.585), instituiu no sistema de transporte coletivo de passageiros na cidade o bilhete único especial do trabalhador desempregado, com atribuições à Secretaria Municipal de Transportes de São Paulo e São Paulo Transporte (SPTrans) para a operacionalização. Mas a gratuidade foi efêmera: funcionou por menos de um ano, sob a justificativa de que seria necessário suspender o benefício porque poderia configurar medida eleitoreira. O vai e vem segue: em fevereiro deste ano o prefeito Bruno Covas emitiu novo decreto (nº 58.639/2019) que, entre outros pontos, revoga tanto o emitido por Erundina quanto o por Haddad, desregulamentando a lei.


A batalha do movimento sindical inclui, portanto, a volta da condição anterior ao início deste ano. A seu favor, centenas de iniciativas em âmbitos municipais, estadual e federal nos respectivos parlamentos sinalizam nessa direção. Na Assembleia Legislativa de São Paulo, a deputada Beth Sahão (PT) é autora do Projeto de Lei nº 452/2016, que visa assegurar o passe livre a desempregados no transporte coletivo rodoviá­rio intermunicipal regular, o qual se encontra na ordem do dia. E na Câmara Federal, o deputado Boca Aberta (Pros-PR) apresentou proposição  (nº 2.144/2019) para que a medida seja obrigatória no transporte coletivo urbano em todo o território nacional.


Ex-secretário municipal de Transportes de São Paulo, agraciado pelo SEESP em 2013 com o prêmio Personalidade da Tecnologia em Mobilidade urbana, Lúcio Gregori enfatiza: “O passe livre é parte da concepção de mobilidade. Segundo dados da Rede Nossa São Paulo, mais de 46% das pessoas não visitam seus familiares e mais de 20% não acessam o SUS (Sistema Único de Saúde) porque não podem pagar a tarifa do transporte coletivo. As famílias gastam mais com isso do que com alimentação. Aos desempregados a situação é ainda mais aguda, e a gratuidade deve ser imediata.”


Alegação comum é de que não há condições de garantir o subsídio necessário para tanto, já que o Estado não tem recursos. Para Gregori, a resposta está em rever a regressividade  do sistema tributário, em que mais pobres proporcionalmente pagam mais impostos do que os mais ricos e taxar, por exemplo, grandes fortunas, lucros e dividendos dos bancos.


Do ponto de vista técnico, várias empresas oferecem soluções integradas em sistemas de transporte inteligentes. Uma delas é a Transdata, que, segundo a gerente de marketing Andresa Thaler, conta com 25 engenheiros em seu desenvolvimento e já atua em mais de 400 cidades do mundo e do Brasil, entre as quais mais de 70 no Estado de São Paulo. A tecnologia à bilhetagem eletrônica e mobilidade inclui biometria facial para reconhecimento do beneficiá­rio da gratuidade, sistema de monitoramento, informação ao passageiro em tempo real etc..

 

Medida emergencial

Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da População Economicamente Ativa (PEA) de 93,6 milhões, 12,6 milhões de brasileiros estão desempregados e 4,7 milhões, desalentados (que desistiram de buscar trabalho há mais de 30 dias). Somente na Região Metropolitana de São Paulo encontram-se 1,89 milhão, onde a taxa de desocupação total gira em torno de 16% – segundo pesquisa da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) de junho de 2019.


Na Capital, estão em torno de 1,46 milhão, conforme pesquisa Trabalho e Renda divulgada em fevereiro último pela Rede Nossa São Paulo. Embora não seja garantida nos ônibus – que representam mais da metade das viagens em transporte coletivo –, a gratuidade a desempregados o é no sistema metroferroviário.


Conforme a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos, em cumprimento a resoluções da Pasta e ao Decreto Estadual nº 32.144/1990, Metrô e Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) emitiram respectivamente, entre janeiro e setembro deste ano, 48.847 bilhetes e 38.778 credenciais destinadas a esses usuários. O benefício é assegurado aos desempregados que foram demitidos sem justa causa há no mínimo um mês e no máximo 180 dias, desde que tenham trabalhado pelo menos seis meses contínuos no último emprego com registro em carteira. Permite a isenção da tarifa nos dois sistemas de transporte coletivo, por um período de 90 dias, não renovável, conforme legislação específica.

 

Por Soraya Misleh

 

 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda