GRCS

Eleita diretoria da FNE para 2010-2013

Avalie este item
(0 votos)

       Além do pleito em questão, encerramento no dia 26 de setembro do VII Conse (Congresso Nacional dos Engenheiros) incluiu plenária que aprovou plano de trabalho da federação por unanimidade e carta que reúne as conclusões do evento (ambos encontram-se na íntegra no site www.fne.org.br). Nessa assembleia, foi ainda deliberada atualização do documento “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento” – que propugna por uma plataforma nacional de desenvolvimento sustentável com inclusão social. Tal estará concluído no final de outubro e abrangerá as sugestões feitas pelos engenheiros.
      O processo eleitoral teve a participação dos delegados dos 18 sindicatos filiados à FNE, entre os quais o SEESP. Com 133 votos, foi escolhida para comandar a entidade no triênio 2010-2013 a chapa 1, que tem à frente Murilo Celso de Campos Pinheiro, reconduzido, portanto, ao cargo. Além da luta pela valorização profissional, o programa da federação mostra sua preocupação em contribuir ao desenvolvimento do País. Na carta de encerramento do Conse, a FNE reafirma essa pretensão e a consciência da importância do papel dos engenheiros para tanto.
       Na plenária final do congresso, foram também aprovadas diversas moções, como as relativas ao engajamento da categoria no processo da I Confecom (Conferência Nacional de Comunicação), que acontece de 1º a 3 de dezembro próximo, em Brasília. Decidiu-se igualmente pela participação nas Conferências das Cidades, cujo evento conclusivo está programado para 24 a 28 de maio do próximo ano, também na Capital Federal. E o repúdio a projeto de lei que pretende retirar atribuições dos agrônomos e limitar o exercício de sua profissão, entre várias outras.

Perspectivas
      O trabalho dos engenheiros para que suas propostas em prol da categoria e do País sejam implementadas se dará em um momento de transição do sindicalismo, que inclui sua busca por promover iniciativas que recuperem o papel do Estado nas políticas públicas. Essa foi a análise feita pelo cientista político e sindical João Guilherme Vargas Netto, em sua fala à mesa que discutiu o tema “FNE, atuação e perspectivas do movimento sindical”, também no dia 26. “É o eixo do Cresce Brasil.”
       A segunda transição é o reconhecimento legal das centrais sindicais e a unidade de ação, o que lhes assegura protagonismo e influência nas decisões governamentais. Para Vargas Netto, outro exemplo é a criação da CNTU (Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados). A nova entidade, afirmou, “é a grande janela sindical para reconstruir a malha de representação dos profissionais de classe média. E o papel da FNE nessa constituição foi estratégico”.
        Ainda na ótica do especialista, o fim do paradigma de centralização da campanha salarial por setor em uma única região configura-se como a última transição. O exemplo é das montadoras de São Bernardo do Campo, cujas negociações antes determinavam os rumos das demais no segmento em todo o Brasil, o que foi deixado de lado neste ano, por ação da base. Como consequência, ficou provado que o trabalhador precisa se mobilizar para obter conquistas. Ficou também demonstrada a necessidade de contrato coletivo de trabalho e de coordenação das iniciativas, para que o conjunto dos trabalhadores tenha ganhos.
       Vargas Netto trouxe ainda ao Conse a novidade de criação estratégica de um fundo de greve – ao qual foram aportados R$ 1 milhão –, que deve fortalecer as ações do movimento sindical, já que reduz a insegurança ao trabalhador quando se fizerem necessárias paralisações. O cientista concluiu: “A transição que o movimento vem atravessando pode se completar de modo vitorioso, garantindo ao País continuidade positiva, sem a volta da financeirização, privatização e desmonte do Estado. O VII Conse se insere nesse quadro e dá impulso.”
        Representando a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), Altamiro Borges lembrou que o “Cresce Brasil” tem essa visão de futuro. E apontou perspectivas otimistas ao movimento sindical brasileiro, que teve papel decisivo para configurar o novo cenário que se vislumbra. Nesse, coloca-se a possibilidade de aprovação ainda no atual governo de bandeiras históricas como a redução da jornada para 40h semanais sem diminuição de salário. Face a tal perspectiva, para o representante da CTB, é o momento de avançar na luta e fortalecer a unidade de ação.

Aproximação
       Entre os palestrantes, José Roberto de Melo, superintendente Regional do Trabalho de São Paulo, representando o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, colocou a seccional paulista à disposição do SEESP. Já José Tadeu da Silva, presidente do Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de São Paulo), destacou o apoio ao projeto “Cresce Brasil” e sua importância. E Washington Santos, o Maradona, do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo e UGT (União Geral dos Trabalhadores), enfatizou a parceria com o SEESP para a obtenção de maiores conquistas no setor elétrico no Estado.
       Também durante o VII Conse, o secretário Nacional das Relações do Trabalho, Luiz Antonio de Medeiros, salientou os esforços do Ministério do Trabalho para aprimorar o movimento sindical, o que possibilitou a criação da CNTU. Ele abordou ainda as mudanças que têm sido implantadas no órgão governamental para agilizar o atendimento ao trabalhador, às empresas e até à Justiça. Entre as quais, o acesso via Internet aos acordos e convenções coletivas e o sistema homolognet, este ainda em desenvolvimento, que permitirá ao trabalhador o cálculo do que tem a receber ao ser demitido.


Soraya Milseh
Colaborou Rita Casaro

 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda