Logos

GRCS

16/06/2015

Rumo ao nono Congresso Nacional dos Engenheiros

Avalie este item
(1 Votar)

Centenas de profissionais de todo o Brasil deverão se reunir na capital sul-mato-grossense, Campo Grande, de 5 a 7 de outubro próximo, para participar do IX Congresso Nacional dos Engenheiros (Conse). Realizado a cada três anos, o encontro mais importante da FNE colocará em pauta o debate sobre desenvolvimento e a valorização profissional. “Neste momento, mais do que nunca, é necessário que os engenheiros mantenham a sua firme convicção de que não se pode abrir mão de medidas que levem ao crescimento econômico e ao desenvolvimento”, afirma o presidente da federação, Murilo Celso de Campos Pinheiro, referindo-se às dificuldades políticas e econômicas vividas pelo País, cenário bem diferente ao da realização do último congresso, em 2012, quando o Brasil vivia pujança em termos de investimentos em obras de infraestrutura e maior estabilidade institucional.


Foto: Divulgação
ParqueCampoGrande editada 
A capital sul-matro-grossense sediará a nona edição do congresso dos engenheiros, que colocará
em pauta o setor agropecuário, dificuldades enfrentadas pela indústria, mobilidade, energia e água 


Para ele, o ciclo positivo dos últimos dez anos, quando a retomada dos investimentos, conforme propunha o projeto Cresce Brasil – lançado pela entidade em 2006 –, propiciou o aumento do emprego e da renda e melhorou as condições de vida da população, demonstra qual o caminho a seguir, “e ainda resta muito a se fazer, como dar conta das inúmeras demandas da nossa infraestrutura urbana”. E conclama: “É preciso coragem para andar para frente, não retroceder e não abrir mão do que foi conquistado.”

Nesse sentido, o congresso dos engenheiros debaterá os desafios e as oportunidades do agronegócio e da indústria, levando em conta macroeconomia, política industrial, produtividade e inovação, logística e qualificação da mão de obra. “O nosso grande problema hoje, como já dito, é o recuo da indústria”, avalia Pinheiro, para quem um país como o Brasil precisa do setor forte e deve, para isso, lançar mão de suas vantagens estratégicas. Segundo ele, não há como a economia nacional se sustentar apenas com a venda de commodities, por maior que seja a importância do agronegócio nacional, e sustenta que, também nessa área, “em que somos bastante competitivos, é preciso pensar em valor agregado aos produtos”. Por isso, defende o desenvolvimento da cadeia produtiva agromineral, o que necessita de inovação. Os problemas de logística e transporte, que encarecem os nossos produtos, também estão na ordem do dia dos debates dos engenheiros, tendo como perspectiva, ressalta Pinheiro, repensar a matriz de transporte com maior utilização de hidrovias e ferrovias.    

A expectativa da realização do congresso em Mato Grosso do Sul, segundo o presidente do Senge-MS, Edson Shimabukuro, é a melhor possível. “Estamos trabalhando para realizar um grande Conse e recepcionar a todos com muita atenção. Para isso, contamos com o apoio do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) e do Mútua do estado, do governo estadual, da Prefeitura de Campo Grande, da Câmara Municipal, da  Assembleia Legislativa e também de empresas privadas”, informa.

Shimabukuro informa que o congresso contará com a participação dos mais renomados profissionais da engenharia e da política. “Serão discutidas formas e apresentados exemplos para o crescimento do País e, claro, da cidade de Campo Grande que segue a caminho de uma metrópole”, observa. Para ele, a cidade ganhará sensivelmente com os debates do IX Conse. Ao mesmo tempo, avalia Shimabukuro, o estado também contribuirá bastante com os debates, como em relação ao agronegócio, já que Mato Grosso do Sul tem, como carro-chefe de sua economia, o setor já bastante avançado tecnologicamente; e à mobilidade urbana, pois a cidade de Campo Grande, informa o sindicalista, tem um dos modelos mais significativos em todo o País. “Já no caso dos recursos naturais, temos o plano ecológico do Pantanal, que abrange a bacia do pantanal, formado pelos rios Paraguai e Paraná. Além de termos o maior aquífero guarani da América Latina. Temos trabalhos realizados com esses recursos naturais dos quais podem servir de exemplo para outras cidades, temos muito a somar para o nosso País.”

Valorização profissional
Sobre questões mais específicas, o IX Conse definirá estratégias de ação com relação à valorização profissional e da engenharia nacional. Pinheiro lembrou que a categoria amargou certo ostracismo durante a recessão da década de 1980 e voltou a ter relevância no País na fase da retomada do crescimento, a partir de 2003. “No entanto, a luta pela valorização profissional é uma bandeira constante, faz parte da atuação diária da FNE e de cada um dos sindicatos filiados”, ressaltou. Para tanto, as pautas essenciais da categoria, entre outras, destaca o dirigente, são o reconhecimento do engenheiro como trabalhador qualificado pela empresa, o cumprimento da lei do salário mínimo profissional (4.950-A/66) e a garantia de acesso à educação continuada. Outra bandeira importante é o da instituição da carreira de Estado, em todos os níveis de governo, para a categoria, cujo projeto aguarda votação do plenário do Senado.

Água, energia e mobilidade urbana
Ainda em sintonia com os assuntos mais relevantes ao País, o congresso dos engenheiros reunirá especialistas para tratar de recurso hídrico, energia e mobilidade urbana. “Queremos debater o quadro de fornecimento de dois insumos-chave, água e luz, do ponto de vista das demandas produtivas do País e evitar, ao máximo possível, uma postura que tem preponderado, principalmente na abordagem cotidiana dos meios de comunicação: o enfoque “individual”, do consumidor doméstico, do usuário “pessoa física”, esclarece. Para tanto, indica que as discussões devem levar em conta os aspectos estruturais das atividades de produção e distribuição de recursos hídricos e de energia elétrica e nos impactos que provocam no processo econômico brasileiro. Com relação à mobilidade urbana, estarão em pauta o direito ao transporte público de qualidade, o sistema metro-ferroviário e o projeto de BRT (sigla em inglês para transporte rápido por ônibus) em Campo Grande.

No último dia do congresso, a partir das 9h, será realizada assembleia e eleição da diretoria da FNE para o triênio 2016-2019.

 

 

Rosângela Ribeiro Gil
Texto publicado no jornal Engenheiro, da FNE, edição 156, de maio de 2015

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lido 1892 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp