Logos

GRCS

06/04/2010

Boicote à Vale

Avalie este item
(0 votos)

 

      As siderúrgicas chinesas ameaçam declarar guerra à Vale e a outras gigantes da mineração. A Associação de Ferro e Aço da China defendeu ontem um boicote de dois meses à companhia brasileira, que detém 32,8% do mercado mundial de produção de minério de ferro, e às anglo-australianas BHP Billiton (15,1%) e Rio Tinto (18,6%), em protesto às mudanças no sistema de preços nos contratos. Em vez de os valores serem anuais, eles estão sendo fixados trimestralmente, com a cotação baseada no mercado à vista. A entidade fez a proposta às empresas associadas após calcular que as atuais reservas da matéria-prima só são suficientes para suprir a demanda por dois meses.
       O minério de ferro é um dos principais componentes do aço, insumo crucial para o setor automotivo, da construção civil e da fabricação de vários bens de consumo. Na Ásia e na Europa, as siderúrgicas criticam cada vez mais as exigências das três gigantes. Os preços acertados com as siderúrgicas japonesas e sul-coreanas geralmente servem de referência. Algumas delas, a exemplo da japonesa Nippon Steel, aceitaram em 2010 aumentos de 80% a 90%, reajuste que as chinesas não querem ratificar. Procurada pelo Correio, a Vale não comentou o assunto.
       Na Europa, as mudanças também provocaram forte reação do mercado. Na semana passada, a Eurofer, que representa as siderúrgicas do continente europeu, denunciou à Comissão Europeia, que fiscaliza a concorrência na União Europeia (UE), “fortes indícios de coordenação ilícita” entre as três gigantes da mineração para impor aumentos de preço “injustificáveis”. (Extraído de artigo do Valor Econômico)

 

www.cntu.org.br

 

 

Lido 1711 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp