Logos

GRCS

07/02/2020

Artigo - Um novo normal

João Guilherme Vargas Netto*


novo normal maringoniTodo fenômeno social complexo que envolve grandes números necessita de critérios classificatórios para sua melhor compreensão. É o que se passa hoje no Brasil com o quadro aterrorizante de precarização das relações do trabalho e de desemprego. Quais os conceitos para uma descrição correta? Quais os números que quantificam a situação?

Em artigo de novembro de 2018 o economista Alexandre Schwartsman alertava que o fenômeno do desemprego (e a correlata precarização) é suscetível de variadas definições e mensurações e isto induz correntemente a erros, perturbando a compreensão e ocasionando mentiras (como as que criticava do então recém eleito presidente Jair Bolsonaro).


Mas agora o seu colega economista Marcel Balassiano do IBRE-FGV aponta em artigo da jornalista Miriam Leitão (o Globo, 5 de fevereiro) um quadro “real” do mercado de trabalho que considero correto porque o descreve de maneira pertinente.

O economista, partindo da força de trabalho brasileira de 106,2 milhões em dezembro de 2019, considera que 67,4 milhões de trabalhadores estão em “situação precária de emprego”, assim discriminados:


41,2 milhões de trabalhadores informais


11,6 milhões de desempregados


6,8 milhões de subocupados


4,6 milhões de desalentados


3,1 milhões que procuraram emprego, mas não estavam disponíveis para a vaga

(a soma contempla os arredondamentos).


Nesta descrição vemos como em torno do núcleo duro do desemprego se agregam as variadas formas de precarização, totalizando 65,3% da força de trabalho.


Esta é a chaga social por excelência, um novo normal, que é preciso ser enfrentado com urgência e com persistência.


Joao boneco atual

* Consultor sindical





Lido 60 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda