GRCS

15/01/2020

Matéria mostra discriminação contra as mulheres no mercado de trabalho

Agência Sindical*

 

A temporada não traz notícias boas para as mulheres. Primeiro, há o aumento da violência, com a agravante da explosão do feminicídio. Notícia ruim vem também do mercado de trabalho.

 

No último domingo, 12/1, o jornal O Globo deu em primeira página: “Quase dois milhões das que chegaram à faculdade têm salário de até R$ 998,00”. O levantamento aponta também que a trabalhadora é maioria entre os informais. A mulher, segundo a matéria, dedica em média 20 horas semanais aos afazeres domésticos. Outro dado indica que, conforme aumenta a escolaridade, a desigualdade também cresce.

 

Para o economista do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio, existe forte desigualdade com relação à mulher. “Geralmente a graduação é maior que a dos homens e, em média, recebem menor salário e as condições de trabalho são precárias. Muitos empregadores pensam que o fato de ser mulher justifica ganhar menos por ficar doente, grávida e outras situações que geram preconceito”.

 

O Dieese aponta que a desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho é maior em regiões menos desenvolvidas economicamente. “Quanto mais precária a condição de trabalho maior a desigualdade. Esses postos acabam ficando com mulheres, e mulheres negras precisamente”, diz.

 

Confira a matéria completa clicando aqui.

 

 

 

*Com informações do jornal O Globo. Texto originalmente publicado em 14/1/2020.

 

 

 

 

 

Lido 257 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda