Logos

GRCS

04/09/2019

FNE defende permanência de engenheiro de Segurança do Trabalho em proposta enviada à NR4

Deborah Moreira
Comunicação SEESP

engenharia de seg do trabalhoA Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), a qual o SEESP integra, enviou sua colaboração à consulta pública para a Norma Regulamentadora NR4, que versa sobre os serviços especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. O prazo se encerrou da consulta no dia 30 de agosto último. Para a Federação, é fundamental garantir que esse tipo de serviço seja feito por profissionais capacitados da engenharia, com formação técnica específica.

Outro ponto defendido na proposta da FNE é a manutenção das micro e pequenas empresas no guarda-chuva da norma, que obriga a contratação de profissionais especializados, tanto de engenharia, quanto da medicina. O conceito internacional “Condições e Meio ambiente do trabalho” também foi incluído. Ainda de acordo com a proposta feita pela Federação, a atribuição dos profissionais integrantes dos serviços especializados em Engenharia de Segurança do Trabalho e em Medicina do Trabalho “devem possuir formação e registro profissional em conformidade com o disposto na regulamentação da profissão e nos instrumentos normativos emitidos pelo respectivo conselho profissional”.

“A atribuição tem que ser dada pelo Conselho, não pode ser por norma. Nessa norma estão, ainda, o dimensionamento do serviço, implementação do sistema de gestão das condições de meio ambiente do trabalho, as regras, incluindo as micros e pequenas empresa. Estão tentando excluí-las mas é preciso manter para que haja garantia de condições mínimas de segurança ao trabalhador”, explica o vice-presidente do SEESP, Celso Atienza, autor da proposta enviada.

Atienza, que é especialista na matéria, lembra que a proposta da norma vai ao encontro do PL  3.818/19, que tramita na Câmara dos Deputados, de autoria do deputado Geninho Zuliani (DEM/SP), que dispõe sobre a alteração do Título II, Capítulo V, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), no tocante à Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho, para adequar a legislação trabalhista vigente às inovações tecnológicas com a denominada Indústria 4.0, adotando, por exemplo, o novo conceito “Condições de Meio ambiente do trabalho”, o qual já é adotado no mundo inteiro.

“As normas regulamentadoras foram criadas em 1978, baseadas na CLT, que é de 1977. Precisaria mesmo de uma revisão. Mas, não por esse caminho que o governo está fazendo. Para mudar com eficácia precisaria mudar a CLT , porque essas normas só tem o poder de regulamentar o que está na CLT. Esse PL que tramita na Câmara propõe mudança na CLT e, essa norma que enviamos, dá o detalhamento da lei, já de acordo com esse PL”, completou o engenheiro de Segurança do Trabalho.

Para assegurar as condições de segurança propostas, é importante que a categoria se mobilize, enfatiza: “Vamos enviar as informações corretas para o maior número de pessoas possível. Querem mudar tantas coisas. Revogaram a NR 2 , por exemplo, o que minimamente exigiria uma renumeração das normas. Ou seja, vai criando vácuos que os novos profissionais não vão entender”.  



Lido 352 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda