Logos

GRCS

27/06/2019

Sindicalistas lançam nota e convocam mobilização nacional dia 12 de julho

Agência Sindical

 

As centrais sindicais lançaram na última terça-feria (25/6) nota unitária convocando o Dia Nacional de Mobilização, em 12/7 próximo, com atos, assembleias e manifestações contra a reforma da Previdência. Dirigentes estão em Brasília desde o início da semana conversando com parlamentares para barrar a aprovação do relatório. Voltam a se reunir na quarta-feira (26). 

 

Luiz Carlos Prates, o Mancha, da CSP/Conlutas, defende que não é hora de discutir itens do relatório da reforma. Ele defende que a proposta seja rechaçada na íntegra. Mancha argumenta: "É hora de pressão total para suspender esta reforma. Devemos retomar a realização de assembleias nas fábricas e locais de trabalho, conversar com os Deputados, principalmente em suas bases eleitorais, e preparar um forte 12 de julho".

 

Para Álvaro Egea, secretário-geral da CSB, o adiamento da votação da PEC (PEC 6/2019) é fundamental para ampliar o debate sobre as mudanças na Previdência. Ele informa: “Queremos adiar a votação do relatório, a fim de que tenhamos tempo de fazer novas propostas”.

 

 

Foto: Divulgação
Centrais 270619
Representantes das centrais reunidos em Brasília para definir agenda de mobilizações.

 

 

 

Nota

Trecho do documento assinado por representantes de dez entidades, convoca: "As centrais sindicais conclamam as bases sindicais e os trabalhadores a intensificar e a empregar o máximo esforço para atuar junto às bases dos deputados e senadores, nos aeroportos, com material de propaganda, e marcar presença também nas mídias sociais, exercendo pressão contrária à reforma em debate no Congresso Nacional".

 

Balanço

Nesta sexta-feira (28), sindicalistas realizam em Brasília um balanço dos trabalhos da semana, do andamento do processo legislativo na Comissão Especial e dos preparativos para a mobilização de 12 de julho.

 

Leia abaixo a nota na íntegra: 

 

Centrais mobilizadas contra a Reforma da Previdência 
As Centrais Sindicais, reunidas em Brasília na semana de 24 de junho, deram continuidade à mobilização e à atuação institucional junto ao Congresso Nacional para enfrentar a Reforma da Previdência e da Seguridade Social. Em reuniões com parlamentares de diferentes partidos políticos, reafirmamos nosso posicionamento contrário ao relatório substitutivo do deputado Samuel Moreira.

 

Renovamos e destacamos a importância de reforçar a atuação junto ao parlamento e parlamentares, visando argumentar e tratar das questões e do conteúdo dessa nefasta reforma.

A unidade de ação foi essencial para o sucesso das iniciativas até aqui coordenadas pelas Centrais Sindicais. Reafirmamos nosso compromisso de investir na continuidade da unidade de ação.

 

As Centrais Sindicais conclamam as bases sindicais e os trabalhadores a intensificar e a empregar o máximo esforço para atuar junto às bases dos deputados e senadores, nos aeroportos, com material de propaganda, e marcar presença também nas mídias sociais, exercendo pressão contrária à reforma em debate no Congresso Nacional.

Nosso estado de mobilização permanente, que deve ser debatido e confirmado em assembleia nos locais de trabalho, é a resposta para barrar a aprovação do projeto e também evitar que os pontos críticos sejam reintroduzidos no texto. 

Declaramos que, em 12 de julho, realizaremos um Dia Nacional de Mobilização, com atos, assembleias e manifestações em todas as cidades e em todos os locais de trabalho, bem como estaremos unidos e reforçando o grande ato que a UNE (União Nacional dos Estudantes) realizará nesta data em Brasília, durante seu Congresso Nacional.

Em 28 de junho, as Centrais Sindicais farão um balanço dos trabalhos da semana, do andamento do processo legislativo na Comissão Especial e dos preparativos para a mobilização de 12 de julho.

 

Investir na mobilização que cresce com a nossa unidade é reunir forças para convencer e vencer esta luta.

 

 

 

 

 

 

 

Lido 331 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda