Logos

GRCS

26/04/2019

Engenheiros não aceitam proposta do Metrô e decretam estado de greve

Comunicação SEESP*

 

Em assembleia realizada na última quinta-feira (25/4) e, após quatro reuniões de negociação entre o SEESP e o Metrô, os engenheiros decidiram não aceitar a proposta apresentada pela companhia, decretando estado de greve, com indicativo de paralisação no dia 30/4. Declararam, ainda, a assembleia aberta em caráter permanente até o término da Campanha Salarial.

 

Uma nova reunião com o Metrô foi solicitada, até a próxima segunda-feira (29), a fim de deliberar uma nova proposta a ser apresentada pela empresa. A próxima assembleia dos engenheiros também está marcada para segunda, às 18h30, na sede do SEESP.

 

A empresa propõe apenas reposição salarial pelo índice IPC/Fipe, sem aumento real, e insiste em manter o pagamento do plano de saúde só durante os seis meses em que estiver ocorrendo a Comissão que discute alternativas ao Metrus. Depois disso, só se compromete em pagar 15,3% da Folha de Pagamento.

 

A decisão da categoria foi enviada à companhia através do Ofício OF.PRE. 2018/2021 nº 135/19.

 

Principais itens da negociação – Proposta do Metrô:

1) Data de Pagamento do Salário – Adiantamento de 35% do salário nominal (+GF quando houver) no dia 15 e pagamento final do salário no primeiro dia útil do mês subsequente.


2) Reajuste salarial – IPC/Fipe acumulado dos últimos 12 meses da data-base, somente sobre o salário, VR e VA.


3) Gratificação por tempo de serviço – apenas para empregados admitidos até 30/04/19.


4) Férias anuais – divididas em até três períodos, conforme Lei 13.467 de 2017 (desde que haja concordância do empregado).


5) Discutir o Plano de Saúde-MSI em Comissão, mas insiste que, ao findar o prazo de seis meses de transição, passe a pagar somente 15,3% da folha de pagamento.


6) Congelamento dos demais itens econômicos.


7) Exclusão das Cláusulas 57ª (Contribuição Assistencial/Negocial) e 62ª (Mensalidade Associativa), eliminando a possibilidade do desconto em folha.

 

Os engenheiros contrapõem:

1) Extensão do reajuste IPC/Fipe a todos os benefícios de caráter econômico;


2) Aumento real de 2,51%;


3) Manutenção da Cláusula 20ª, Plano Metrus/Saúde , em vigor, e que seja constituída Comissão, com prazo de seis meses, prorrogáveis por mais seis meses, para buscar atingir os objetivos definidos de adequação do plano de saúde e busca de alternativas para redução dos custos do Metrus, sem qualquer acréscimo financeiro aos engenheiros, resguardando-se a qualidade do Plano;


4) Manutenção das Cláusulas 57ª e 62ª do Acordo atual, com a ressalva de que o desconto em folha seja permitido pela legislação vigente.

 

 

Serviço:

Assembleia Geral Extraordinária dos engenheiros do Metrô

Dia: 29 de abril de 2019 (segunda-feira)

Horário: 18h (1ª convocação) e 18h30 (2ª convocação)

Local: Sede do SEESP

(Rua Genebra, 25, Bela Vista – São Paulo/SP)

Pauta: Discussão e deliberação: a) contraproposta do Metrô para assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho de 2019; b) Contribuição Negocial e c) paralisação prevista para o dia 30 de abril.

 

 

 

*Com informações da Ação Sindical do SEESP.

 

 

 

 

 

 

 

Lido 1621 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp