Logos

GRCS

05/12/2018

Plenária e posse de conselheiros consultivos da CNTU

Avalie este item
(0 votos)


Soraya Misleh

Comunicação SEESP

Como parte da 13ª Jornada Brasil 2002 – O País que queremos, realizada Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (CNTU), ocorreu na última sexta-feira (30) a 14ª Plenária do Conselho Consultivo da entidade, coordenada pelo seu diretor de Articulação Nacional, Allen Habert. No ensejo foram empossados 80 novos conselheiros. Agora, somam-se 1.458. Ao final, foi aprovada por aclamação a Carta da 13ª Jornada, que teve como tema central “Democracia, abre as asas sobre nós: desafios e caminhos”, lida pela engenheira Thereza Neumann, conselheira consultiva.

 

Foto: Beatriz Arruda

plenária cntu 2018

 

 

“A CNTU é um foro tipicamente da sociedade civil, uma das mais importantes instituições para se conseguir preservar a democracia e muito forte. Reúne várias profissões e isso faz com que seja ouvida”, salientou o professor associado da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP), Paulo Feldmann, um dos conselheiros consultivos veteranos da confederação que compuseram a mesa e saudaram os recém-chegados. Ele lembrou que “vamos entrar numa fase neoliberal muito perversa, que tem a América Latina como o melhor laboratório”. No Brasil, segundo o docente, esse modelo levou a que os bancos lucrassem R$ 110 bilhões neste ano, “praticamente um déficit fiscal”. E observou: “Enquanto países desenvolvidos estão taxando os lucros dessas instituições financeiras, aqui não pagam impostos. Mudar isso é uma bandeira que a CNTU deve encampar.” Ademais, destacou: “Precisamos criar condições para a competitividade da nossa indústria. A confederação, cujo papel será importantíssimo daqui para a frente, tem que discutir isso a fundo.”


Também veterano e com a missão de deixar mensagem aos novos membros do Conselho Consultivo da entidade, o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Paulo Cruvinel enfatizou: “Essa é a casa da consciência crítica do profissional, para descortinar e conhecer a verdade.” Com base na realidade, conforme sua visão, é mister construir estratégias que levem “ao futuro desejado, com equidade e igualdade, respeitando e valorizando a diversidade”. Habert lembrou na ocasião que a Embrapa foi criada em 1967, reúne 10 mil funcionários, entre os quais 2 mil pesquisadores. “É a Nasa da agricultura brasileira e sob risco agora de ser privatizada. Vamos ter que ficar atentos no sentido de não permitirmos esse atentado a nossa soberania e segurança alimentar”, enfatizou o diretor da CNTU.


Também conselheira consultiva, a psicóloga Valéria Sanchez salientou a importância da confederação como uma “casa de cura, porque a arma é a consciência crítica. E é através dela que vamos reprogramar o que está para ser desconstruído”. Ela ressaltou ainda o papel fundamental da educação, “da criança à universidade” nessa direção. Também saudou os empossados da noite o veterano Rodolfo Lucena, do portal Tutameia, que apresentou o projeto “Brasil Nação”, lançado em 2017 com a proposta de lutar contra a desigualdade e por democracia.


Representaram os empossados à plenária o engenheiro Roberto Saturnino Braga, especialista em economia e presidente do Centro Internacional Celso Furtado; a nutricionista Rita Helena; o delegado do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (Seesp) junto à CPTM, engenheiro Élcio Kazuaki Niwa; e o cartunista Paulo Caruso, que brindou os presentes ao encerramento com composições de sua autoria, ao piano.



Lido 330 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp