Logos

GRCS

26/07/2017

À luta contra as obras paradas, conclama Murilo Pinheiro

Avalie este item
(0 votos)

Nos últimos dez anos, os engenheiros do Rio Grande do Sul tiveram importante participação nas discussões e propostas para o desenvolvimento nacional que ajudaram a formatar o projeto "Cresce Brasil", lançado pela FNE em 2006. Agora, novamente são obrigados a se mobilizar para reverter uma situação de crise que impacta diretamente a profissão, e em particular a engenharia civil.

O reconhecimento do papel fundamental do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio Grande do Sul (Senge-RS) foi salientado pelo presidente da federação e do SEESP, Murilo Pinheiro, ao participar do 23° Congresso Brasileiro de Engenheiros Civis (CBENC), que aconteceu de 19 a 21 de julho último, em Porto Alegre. A liderança, no ensejo, registrou a preocupação com as obras paradas no País e os exemplos no estado gaúcho. "No Rio Grande do Sul, há um estaleiro enorme com as obras paradas", apontou. "Precisamos retomar o papel da engenharia, atuando e participando ativamente das discussões da área tecnológica", exortou, lembrando que este tem sido um objetivo do movimento Engenharia Unida, lançado em 2016, a partir dos debates sobre a grave crise que se apresentava e que permanece.


Foto: Paula Bortolini
Murilo Pinheiro destaca papel da engenharia na retomada do crescimento do País em evento que reuniu engenheiros civis.

O Engenharia Unida cresceu a partir de um trabalho conjunto das entidades, conselhos, sindicatos, estudantes, dirigentes, "para debater e trazer propostas factíveis para saída da crise, voltar o protagonismo da engenharia, por mais oportunidades aos profissionais e cidadãos brasileiros".

A primeira saída, indicou Murilo, é cobrar a retomada das cinco mil obras paradas pelo governo federal. "Cada obra retomada traz desenvolvimento para o estado, para o local, gerando empregos, desenvolvimento industrial e social". Por estar em todas as áreas, "a engenharia civil é fundamental para retomada do crescimento."

Algumas estratégias são colocadas pela FNE e as entidades mobilizadas, entre elas a de não descuidar da formação e qualificação dos profissionais. "Temos a convicção de pensarmos na educação, crescimento e desenvolvimento, podemos contribuir para questões muito importantes para o País." Murilo citou as parcerias da federação e do SEESP com a Mútua Nacional e também com o Instituto Superior de Tecnologia (Isitec) - essa falculdade pioneira em Engenharia de Inovação mantida pelo sindicato paulista.

Outra posição importante, na atual conjuntura política, é o combate à corrupção, mas sem desmontar as empresas brasileiras. "A engenharia não pode ser pautada pela judicialização, sem a opinião técnica real da situação voltada à área tecnológica", advertiu. Portanto, participar fortemente do movimento Engenharia Unida é uma forma de ter voz na discussão sobre o País e os rumos da área. "Precisamos nos fazer ouvir! Ocupar o espaço destinado à área tecnológica, que hoje não está sendo feito", exortou.

Murilo observou que as entidades já estão atuando de forma conjunta no Congresso Nacional, com a criação e fortalecimento da Frente Parlamentar Mista da Engenharia, Infraestrutura e Desenvolvimento Nacional, presidida pelo deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL), inserindo pautas do setor no Legislativo, que dizem respeito à área tecnológica, como o conteúdo local, a Lei 8.666, a criação da carreira de estado, entre outras.

 

Da Redação FNE
Com informações de Paula Bortolini
Comunicação SEESP

 

 

 

 

Lido 735 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp