Logos

GRCS

16/09/2015

Livro discorre sobre cidades do Interior paulista

O livro “Cidades do Interior Paulista: Patrimônio Urbano e Arquitetônico”, da Paco Editorial e Cultura Acadêmica Editora, reúne artigos resultantes das pesquisas desenvolvidas pelo Grupo de Pesquisas “Projeto, Arquitetura e Cidade” do Departamento de Planejamento, Urbanismo e Ambiente da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Presidente Prudente.

Os organizadores Evandro Fiorin e Hélio Hirao, professores da FCT, apontam que a obra é um esforço que deriva de uma ação conjunta de arquitetos urbanistas engajados na difícil tarefa de concatenar o ensino, a pesquisa e a extensão, na atual conjuntura das universidades públicas paulistas, num curso ainda jovem de Arquitetura e Urbanismo, com especial preocupação com as cidades do interior e as possibilidades de análise e intervenção nestes contextos.

“O patrimônio urbano e arquitetônico das cidades do interior paulista ainda é pouco estudado. Este compendio, com diversas contribuições tentar abarcar um pouco sobre o assunto, especialmente no que tange a região do noroeste paulista. Ação possível graças ao esforço de pesquisadores em concatenar em um grupo de pesquisa ainda jovem. Assim, o resultado até agora conseguido apenas foi crível de ser circunstanciado em um livro graças ao apoio da gestão presidida pelo arquiteto Afonso Celso Bueno Monteiro, do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo, além da especial atenção dos gestores da FCT”, aponta Fiorin.

Os ensaios reunidos têm em comum, como recorte espacial, as cidades de médio e pequeno porte do centro, oeste e noroeste paulista tratando das questões ligadas ao Patrimônio Urbano e Arquitetônico. Trazem para o debate a preservação deste patrimônio histórico e cultural no contexto e no cotidiano do panorama contemporâneo.

Para tanto, há a contribuição de pesquisadores ligados diretamente ou indiretamente ao referido grupo de pesquisa, alunos, ex-alunos e a colaboração de Nilson Ghirardello, professor da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Uensp em Bauru. No capítulo inicial “Breve olhar sobre as cidades paulistas”, ele faz uma introdução do assunto abordando a formação dos núcleos urbanos do interior do Estado.

No segundo capítulo, “Complexo Industrial e Patrimônio Urbano em Presidente Prudente”, Cristina Maria Perissinotto Baron, propessora da FCT, e Suzana Cristina Fernandes Paiva, da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, discutem o processo da formação dessa cidade e seu Patrimônio Ferroviário Industrial relacionando com a formação do núcleo urbano em busca de sua permanência na paisagem da cidade propondo sua identificação, inventário e reflexão sobre formas de gestão deste patrimônio.

“Centros históricos das pequenas cidades do entorno de Presidente Prudente-SP e a identidade urbana”, de Hélio Hirao, levanta e identifica as paisagens iniciais de alguns municípios a oeste do Estado e seus processos de abandono, permanência e salvaguarda verificando seu caráter e integridade para o fortalecimento das identidades locais.

Em seguida, “A EFS como linha de penetração para a ocupação da Alta Sorocabana “, de Arlete Maria Francisco, da FCT, investiga a origem do traçado ferroviário para compreender a produção das cidades da alta sorocabana visando fornecer subsídios para a preservação do patrimônio urbano e possíveis intervenções urbanísticas.

Hélio Hirao e Rodrigo Morgante Neres, graduado pela FCT, professor da Unip e arquiteto da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em “Tipologias de arranjos arquitetônicos do modernismo paulista no interior de São Paulo”, enfocam a produção da arquitetura moderna paulista fora dos tradicionais eixos das grandes cidades fornecendo subsídios para o debate das possibilidades de intervenção arquitetônica num contexto de produção do espaço onde os valores imobiliários se impõem sobre os valores históricos e culturais dos municípios.

Em “Araçatuba: da memória dos trilhos à modernização do asfalto”, Fiorin e Ana Paula Zonta de Melo, arquiteta urbanista pela FCT, tratam das transformações urbanas do centro histórico desse município, até a atualidade, com especial interesse para o complexo ferroviário que lhe deu origem.

Professora da FCT e da Unip, Aline Alves Anhesim, em “Lugar: medidas para reconhecimento e apropriação do pátio ferroviário de Assis”, verifica o processo de degradação deste importante complexo e procura por alternativas para sua salvaguarda, através do restabelecimento das relações identitárias entre a população e o lugar.

“São José do Rio Preto: Patrimônio e Progresso”, de Evandro Fiorin e Arlete Maria Francisco, professora da FCT, discutem algumas das contradições presentes na imagem de modernidade empreendida pelos planejadores dessa cidade média no noroeste do Estado, a partir da segunda metade do século XX e os desdobramentos dessa difusão para o patrimônio edificado e urbano.

Deivis Augusto Nachif Fernandes, arquiteto urbanista pela FCT, e Hélio Hirao, no último capítulo, “O Patrimônio Industrial de Pederneiras e a função social da propriedade: a refuncionalização da antiga Cerâmica Companhia Mercantil e Comissária de

São Paulo”, analisam os complexos industriais abandonados com implantação numa região privilegiada, dotada de infraestrutura e equipamentos urbanos, em busca de alternativas para sua integração no contexto de vitalidade de seu entorno, apoiando-se no princípio da função social da propriedade.

Os organizadores concluem que o livro apresenta algumas cidades do centro, oeste e noroeste paulista tendo como discussão e debate o patrimônio urbano e arquitetônico. “Tem esse intuito para trazer à reflexão dos leitores, algumas possibilidades de interpretação do que ainda temos e do que deveríamos preservar e, também, alguns caminhos para sua adequação no contexto do projeto e do planejamento da cidade contemporânea”, afirmam.

A publicação, que se tornou viável em função do apoio financeiro do CAU/SP- Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Sâo Paulo, por meio da Chamada Pública 002/2014, pelo Convênio de Patrocínio CAU/SP 019/2014 e teve suporte técnico da diretoria da FCT, para Fiorin e Hirao, “busca a valorização do caráter histórico particular de cada cidade, contribuindo para o reforço da identidade local, em busca da salvaguarda do patrimônio urbano e arquitetônico das cidades do interior paulista.”


 

Imprensa SEESP
Fonte: Unesp Agência de Notícias (UnAN)










Lido 959 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda