Logos

GRCS

17/11/2010

Aplicações em escala atômica na agricultura

Avalie este item
(0 votos)

        A nanotecnologia, ciência que pesquisa e produz coisas em escalas atômicas, não se limita à microeletrônica, em que os altos investimentos e descobertas revolucionaram a produção de componentes de computadores. Hoje ela é aplicada em diversas outras áreas, como medicina, física e já se estudam possíveis utilizações da nanotecnologia no agronegócio.
        As possibilidades são muitas, segundo o pesquisador Luiz Henrique Carparelli Matoso, que dirige a Embrapa Instrumentação Agropecuária, de São Carlos (SP). Conforme o especialista, que lidera a Rede de Nanotecnologia Aplicada ao Agronegócio (Rede Agronano), um projeto que envolve cerca de 150 pesquisadores, de 53 diferentes instituições, várias frentes têm sido atacadas nesse sentido, como a liberação controlada de pesticidas no solo.
        "A necessidade do uso de pesticidas para controle de pragas é indiscutível, principalmente em grandes áreas. Porém, sabe-se que o tempo de ação desses compostos é curto, principalmente porque a chuva lixivia as lavouras, obrigando o produtor a ter de fazer novas aplicações", discorre o pesquisador.
        Então, a solução seria aplicar esses mesmos pesticidas, só que em partículas dezenas de vezes menores. Além de usar menos produtos químicos, o que reduz a presença de resíduos, isso amplia a sua eficiência. Para ilustrar o que diz, o pesquisador compara o sal grosso com o sal refinado: "O segundo é um tempero muito mais eficiente."
        E a forma de fazer essa aplicação em escala nanométrica não envolve nenhum tipo de sensor ou aparato eletrônico. O meio responsável por fazer a liberação desses pesticidas é apelidado de hidrogel. Segundo o pesquisador José Manoel Marconcini, trata-se de um nanocomposto à base de polímeros com alto poder de absorção.
        Ao entrar em contato com algum material líquido esse composto o absorve e se transforma em uma espécie de gel, que ao ser colocado no solo vai se desfazendo gradativamente, liberando o pesticida no solo de forma controlada e contínua. Marconcini diz que o fato de liberar um pouco do pesticida todo dia aumenta muito a eficiência do produto. "Isso porque na aplicação normal há uma perda gradual do seu efeito. E deste modo temos um desempenho de primeiro dia todos os dias."
        Outra vantagem do hidrogel é a possibilidade de ser usado em agricultura de precisão. "Não seria mais necessário fazer uma aplicação corretiva na lavoura toda, mas somente em áreas afetadas. Isso reduz o custo do manejo. Além do mais, ao diluir o pesticida em nanoemulsão, reduz-se muito a quantidade de produto. Mais que aplicação de pesticidas, Marconcini diz que o hidrogel também pode ser usado na liberação controlada de fertilizantes ou até mesmo de água, para manter equilibrada a umidade do solo.

Alimentos
        Outra frente de pesquisa dentro da Embrapa Instrumentação Agropecuária estuda o uso da nanotecnologia para aumentar a vida útil dos alimentos após a colheita. Isso é possível graças a uma espécie de filme, que ao envolver o alimento acaba retardando seu processo respiratório, reduzindo assim a velocidade do seu envelhecimento. Segundo a pesquisadora Lucimara Forato, responsável pelo estudo, a aplicação deste nanofilme pode ampliar em até 30 dias a vida de prateleira de frutas como maçã, goiaba e macadâmia.
        Conforme Lucimara, após a colheita e higienização, os alimentos são imersos em uma solução à base de um polissacarídeo chamado de quitosana e de proteínas de milho. "Esta solução forma uma película invisível em torno do fruto e reduz sua taxa de respiração."
        Com isso, a ação de bactérias sobre esses frutos, como as deixadas pelas mãos que as manipulam, seja após a colheita, seja nos supermercados, torna-se muito mais lenta, aumentando a vida útil. "Isso reduziria as perdas na pós-colheita, que chegam a 40%, com a manipulação, transporte e armazenamento." A pesquisadora também destaca que a solução pode ser valiosa para alimentos com alto valor agregado, exportados, como a manga. "Em vez de ir de avião para o Japão, iria de navio, mais barato."

Doenças
        A nanotecnologia também pode ser utilizada para a detecção de doenças em rebanhos, segundo conta o coordenador do Laboratório de Nanomedicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), o pesquisador Vantencir Zucolotto. "Ao investigar materiais em escalas nanométricas é possível não somente entender e melhorar suas propriedades, mas descobrir novas propriedades."
        Segundo ele, alguns desses materiais estão sendo usados em pesquisas para a criação de dispositivos de diagnósticos menores e mais baratos. "Desenvolvemos um dispositivo que permite a detecção da pasteurolose no local. É um polímero que ao entrar em contato com a bactéria e com o sangue infectado gera uma variação de corrente elétrica. É uma resposta rápida, precisa e barata, pois não depende de aparelhos caros, como os meios atuais de diagnósticos." Ele diz que outros materiais têm sido pesquisados para detecção de aftosa e leishmaniose.

 

(Leandro Costa, O Estado de S. Paulo)
www.cntu.org.br

***
O uso da nanotecnologia na agricultura é um dos temas do IV EcoSP, encontro anual promovido pelo Sindicato dos Engenheiros de São Paulo e a FNE, e que começa nesta sexta-feira, em São Paulo. Saiba mais

 

 

Lido 1781 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp