GRCS

31/07/2014

No Senado, Serra quer defender São Paulo e saúde e combater drogas

O candidato José Serra, do PSDB e da coligação “Mais trabalho”, que reúne 14 partidos políticos, iniciou, nesta quarta-feira (30/7), o ciclo de debates “A engenharia, o Estado e o País”, que pretende receber, até setembro, candidatos majoritários as Eleição 2014, na sede do SEESP, organizador da atividade. O concorrente ao Senado Federal destacou os principais pontos em que pretende atuar caso seja eleito em outubro próximo. Entre eles: reconstruir o sistema do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), melhorar a saúde pública e o saneamento básico, defender mais investimentos no estado paulista e combater a utilização e o tráfico de drogas em território nacional.


Foto: Beatriz Arruda
Serra debate 30JUL2014José Serra apresenta suas propostas ao Senado aos engenheiros, nesta quarta-feira (30/7).
Mais fotos aqui.
 

Serra, que iniciou sua vida pública, em 1983, como secretário de Economia e Planejamento do governo de Franco Montoro, em São Paulo, tem em seu currículo dois mandatos como deputado federal e um como senador, além de ter sido prefeito da Capital paulista e governador. Na sua apresentação aos engenheiros, fez questão de dizer que começou seus estudos de graduação na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), mas se formou mesmo em economia. Segundo ele, quando entrou na Poli, no início da década de 1960, o País “bombava” em termos de engenharia, principalmente nas áreas de mecânica, elétrica e construção civil. “Era uma profissão onde se ganhava bem”, afirmou.Todavia, Serra diz que, hoje, o cenário é bem diferente e o Brasil enfrenta “uma lentidão no desenvolvimento”. E continua: “De 1980 para cá, a economia brasileira caiu três vezes. São 34 anos sem crescimento. Isso está por trás dos problemas da engenharia brasileira.”

Ele se definiu, ainda, como um “político não abstrato” e que estudou economia depois por motivação política. Disse, ainda, que sua vocação é para a atividade pública, citando frase de Charles de Gaulle – general, político e estadista francês, falecido em 1970 – de que a política depende de homens de Estado.

Na questão do FAT, uma de suas plataformas de trabalho, Serra afirma que o fundo está “desfinanciado” e precisa ser “reconstruído”. Ele explica o mecanismo que serviu como base para a criação do sistema: “No ano de muito emprego, sobra dinheiro para investir. Em tempo de desemprego, tem dinheiro investido e os rendimentos podem pagar.” Já a área da saúde, citando pesquisa que a coloca, atualmente, uma das grandes preocupações do brasileiro, o candidato defende uma melhor gestão dos recursos públicos, voltar ao profissionalismo e se coloca contra a ideia da “medicina para pobre”. Sem entrar em detalhes, ele assegurou que tem um projeto para o setor com o objetivo de recompor o financiamento, reduzir custos e melhorar a gestão. Da mesma forma, garante que vai pensar em investimentos, a fundo perdido, na área de saneamento básico.

Fronteiras escancaradas
O candidato também quer usar o seu mandato, representando a população de São Paulo, para a realização de campanhas educacionais contra a utilização de drogas. Segundo ele, atualmente droga virou “sinônimo de direito civil e progressismo”. E acrescentou: “O Brasil não produz drogas, mas suas fronteiras estão escancaradas para a entrada delas, mas, além disso, tem governos que são cúmplices, o governo boliviano.” E questiona: “O que o país tem de fazer? Tem de atuar como os Estados Unidos, amigos, amigos, mas negócios são negócios. Precisamos de medidas governamentais para combater o contrabando de entorpecentes.”

Ainda como senador, Serra quer discutir financiamento de campanhas eleitorais e o sistema eletivo, defendendo, por exemplo, o voto distrital a se iniciar pelas eleições às câmaras municipais. Disse, ainda, que São Paulo é o único “estado gordo” do País, que nutre outros entes federativos. Por isso, defende uma nova repartição dos impostos, que não prejudique o estado paulista como acontece atualmente.

O candidato do PSDB esteve acompanhado do seu suplente, José Aníbal, e de concorrentes da coligação ao Legislativo federal e estadual.

Novos debates
O ciclo "A engenharia, o Estado e o País" prossegue com outros candidatos. Nesta quinta-feira (31/7), será recebido o candidato ao Governo do Estado de São Paulo pelo PV, Carlos Alberto Santos, às 18h, na sede do SEESP, na Capital paulista. O evento tem transmissão ao vivo online aqui. Neste link você confere os outros debates. 


 

Rosângela Ribeiro Gil
Imprensa SEESP









Lido 7758 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Oportunidades Plataforma 29 04 1

VAGAS DE ESTÁGIO DE ENGENHARIA

agenda