Logos

GRCS

26/08/2013

Falta de planejamento resulta em infraestrutura precária

Os atrasos, paralisações e até mesmo as exclusões de diversas obras de infraestrutura e mobilidade urbana previstas inicialmente no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Copa de 2014 são exemplos do que não deve ser feito em termos de planejamento urbano. Esta é a visão do Sindicato Nacional de Arquitetura e Engenharia (Sinaenco), apresentada pelo presidente da entidade, João Alberto Viol.

Ele relata que, em 2007, quando o Brasil foi escolhido como sede do Mundial, esperava-se que aquela seria "a grande oportunidade para se projetar e executar ações que iriam deixar um legado para a população, principalmente em relação à mobilidade urbana, melhorando inclusive a qualidade de vida". Entretanto, seis anos depois, a decepção é grande. "Teríamos nossa grande chance, mas ela foi mal aproveitada porque não conseguimos nos planejar para realizar todos os investimentos necessários a tempo. O que está acontecendo hoje é algo que não pode servir de padrão e que precisamos corrigir", criticou.

Viol e representantes das comunidades técnica e política, estudantes e sociedade civil estiveram reunidos, no dia 22 último,na Capital paranaense, para discutir e apresentar novas propostas a serem implantadas pelas grandes metrópoles para melhorar suas infraestruturas. O evento "De olho no futuro: Como estará Curitiba daqui a 25 anos?" será realizado também em outras 12 capitais. Nestes encontros, conforme o sindicato, será analisada a capacidade dos gestores, profissionais e da população em geral, de planejar o futuro.

No final do ano, o sindicato vai divulgar um documento contendo todas as informações coletadas nas capitais para as autoridades municipais, estaduais e federais.

 A falta de continuidade de projetos de mobilidade, por exemplo, é um dos grandes problemas diagnosticados, aponta o sindicato. "Cada administrador que assume o cargo enxerga somente os quatro anos diante daquele mandato. Essa cultura precisa ser mudada de alguma maneira. A classe política, o administrador público está olhando mais para o retrovisor do que para a frente", reforçou Viol.

Sem mobilidade
Um levantamento prévio realizado pelo Sinaenco, por exemplo, apontou que o trânsito e o transporte público são os maiores problemas de infraestrutura de Curitiba. Segundo 85% dos entrevistados, a falta de ações de mobilidade urbana causa maior impacto na vida da população. "Na capital paranaense esta é a principal reivindicação, então temos que discutir quais são as soluções para os próximos anos? Queremos difundir o planejamento como instrumento essencial para decidirmos que tipo de cidade queremos", completou João Alberto.

Com informação do jornal Folha de Londrina, reportagem de Rubens Chueire Jr.




 

 

Lido 2008 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp