Logos

GRCS

28/06/2013

Opinião – Na contramão da perplexidade

O surgimento de perfis falsos do Movimento Passe Livre, apontado em reportagem do Globo de segunda-feira (24/6, ver aqui), deveria servir de alerta para as dificuldades e os riscos de mobilizações nesse ambiente fluido e permeável das redes sociais, já brevemente abordados neste Observatório (ver “Redes sociais, boatos e jornalismo“). O campo aberto pelo mundo virtual costuma ser enaltecido por suas potencialidades libertárias, mas também amplia exponencialmente a possibilidade de manipulação, essa tática tão antiga quanto a política. A intenção, nesses casos, é aumentar a confusão, como vem ocorrendo nesse momento particularmente sensível da vida nacional.

A reportagem indica, e uma olhada nas redes confirma, a maneira pela qual esses agentes – cuja origem não se dá a conhecer, pelo menos imediatamente – ajudam a embaralhar as coisas, alternando publicações legítimas da página verdadeira do MPL com mensagens que fogem às pautas originais, como o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o combate à PEC 37 e mesmo a esdrúxula convocação de uma “greve geral”, que já contava, na manhã do dia 24, com mais de 800 mil confirmações. (Reportagens e entrevistas publicadas sobre essa proposta, como fez o Estado de S.Paulo no sábado, 22/6, deram o perfil do organizador desse “evento”, mas foram incapazes de alguns questionamentos elementares, seja quanto à generalidade da pauta – “fim da roubalheira”, “punição para os corruptos” –, seja quanto ao perfil dos que aderiram à ideia: quantos serão trabalhadores?).

O cultivo do caos
Curiosa, entretanto, foi a interpretação do “especialista” convocado pelo repórter a falar sobre as consequências dos perfis falsos: ele considera que o fenômeno não tem “a menor importância”, porque, a partir do estopim – no caso, o movimento contra o reajuste das tarifas de ônibus –, as convocações deixaram de ser centralizadas:

“Agora não temos rebanhos. Temos interativismo, no qual cada pessoa comparece nos seus próprios termos e desobedece aos que querem mandá-la, compondo uma espécie de sistema nervoso fractal de imensas multidões. E temos a formação de um fenômeno chamado de enxameamento da população, ou swarming, que acontece quando distintos grupos e tendências, não coordenados explicitamente entre si, vão aumentando o alcance e a virulência de suas ações. E isso é bom, porque distribui a energia transformadora pela sociedade”.

Conviria indagar por que esses grupos rebeldes necessitariam utilizar perfis falsos para disseminar sua “energia transformadora”. Parece óbvio que a intenção é aproveitar-se das reações automáticas e irrefletidas incentivadas pelo ritmo veloz da internet e induzir a erro pessoas que pensam estar apoiando um movimento quando estão colaborando para algo que não sabem o que seja, o que apenas contribui para aumentar a sensação de caos a ser devidamente aproveitada por quem se esconde atrás dessas máscaras.

Referências para a credibilidade
A cacofonia própria das redes impõe, pelo contrário, tentativas de organizar esse caos, o que sempre foi tarefa do jornalismo, embora a grande imprensa não venha cumprindo esse papel, em parte porque – como se verá a seguir –, aparentemente deseja contribuir para ele. Reportagem do Estado de Minas (22/6, ver aqui) confirma que, de alguma forma, é preciso filtrar as informações: assim, um grupo de estudantes de jornalismo da Universidade Federal de Minas Gerais criou no Facebook uma página dedicada à cobertura das manifestações, que, “em três dias, já contava com 65 mil seguidores”.

Além de divulgarem reportagens próprias e presenciais, procuravam checar a veracidade do que circulava nas redes e nos meios tradicionais (sites e portais jornalísticos e telejornais). “Como não havia fonte de informação mais concisa e confiável no Face, nos mobilizamos”, diz o estudante responsável pela iniciativa.

Ou seja: como sempre, de algum modo, é preciso estabelecer referências para a informação confiável, o melhor antídoto para o comportamento de manada – ou será enxame? –, irresponsavelmente enaltecido pelos entusiastas acríticos das redes.

“Coisas muito estranhas”
Na contramão do elogio à dispersão e à falta de foco das reivindicações, associadas à suposta – e reiteradamente aplaudida, inclusive pela mídia tradicional – inexistência de lideranças, o depoimento do professor Pablo Ortellado, em debate ocorrido no sábado (22/6), oferece argumentos bem fundamentados para a tentativa de compreensão desses dez dias que abalaram o Brasil e, de quebra, contraria a ideia de que a grande imprensa deixou de ser importante no mundo das redes – pelo contrário, ela conseguiu “ressignificar o movimento” e transformá-lo “no oposto do que era originalmente”.

Pablo começa pelo histórico das demandas pela tarifa zero, que foram crescendo diante da falta de sensibilidade do establishment político. Deixa claro que, desde o início, as mobilizações foram politicamente dirigidas pelo Movimento Passe Livre e aponta a evolução das manifestações, até começar a analisar os últimos acontecimentos.

“Na quarta-feira da semana passada [12/6] – parece um ano, parece lá atrás, mas foi semana passada – o Jornal Nacional fez uma matéria pedindo sangue. Pedindo ordem. (...) Na quinta-feira de manhã [13], dia da manifestação marcada pelo MPL, os dois editoriais da Folha de S.Paulo e do Estado de S.Paulo pediam sangue, pedindo o rigor da polícia. (...) Para a nossa polícia (...) isso é senha para violência irrestrita. (...) E havia uma mobilização muito grande, já superando os padrões brasileiros, e foi uma violência sem precedentes”.

Foi então que “coisas muito estranhas” começaram a acontecer, com a guinada radical do enfoque da mídia hegemônica. O professor não acredita que tenha sido por causa dos jornalistas agredidos – as empresas “não têm tanto cuidado assim com seus trabalhadores” – e insinua que “telefones tocaram” – como, de fato, costumam tocar em situações críticas.

Então Arnaldo Jabor, comentarista da Rede Globo que havia desqualificado o movimento, pede desculpas pelo “erro”; a Folha de S.Paulo publica editorial se retratando e, mais interessante – ou “estranho” –, a Veja sai com uma capa sobre “a revolta dos jovens” e indaga: “Depois do preço das passagens, a vez da corrupção e da criminalidade?”. Foi então que surgiram “novas pautas”, inexistentes até então; e é aí que as mobilizações começam a perder o foco.

Ninguém está entendendo nada?
Pablo argumenta que era previsível um adensamento na passeata marcada para a segunda-feira (17/6), em São Paulo, por causa da indignação provocada pela violência policial na semana anterior, mas não se previa mais do que 40 mil pessoas na Paulista. Só que apareceram 100 mil: pessoas “completamente despolitizadas”, com “as pautas mais variadas”. Mais significativo: “Várias delas com cartazes com a listinha da Veja”.

Por isso o professor suspeita da articulação pelos tais telefones que possivelmente tocaram:

“Foi incrível a capacidade que os meios de comunicação tiveram em ressignificar um protesto popular por uma demanda socialista. A demanda do MPL é a tarifa zero, é transformar o transporte num direito universal gratuito. E foi completamente ressignificado. (...) Parece muito armado, porque houve uma mudança, (...) todos eles passaram a dizer: as manifestações são cívicas, são um exemplo de cidadania. Vocês já viram a imprensa falar isso?”

Junte-se a isso o aparecimento de “pessoas estranhas, fortes, com cabelo raspado”, que atraíram manifestantes para o prédio da prefeitura de São Paulo e começaram a vandalizar: “Durante duas horas e meia eles barbarizaram o Centro e a polícia não fez nada”.

O futuro em aberto

Para começar a entender alguma coisa é preciso prestar atenção a esse tipo de coincidências. Afinal, na origem estava um movimento de esquerda, que obteve enorme adesão e conseguiu uma significativa vitória, articulando objetivos de curto prazo – a revogação do aumento das tarifas – com os de longo prazo, pela transformação da sociedade em benefício de mais justiça e participação. “Mas hoje”, diz Pablo, “temos uma mobilização que não se desfaz e está pautada pelos meios de comunicação, e temos que entender como é que os meios de comunicação conseguiram transformar uma coisa no seu avesso”.

Ninguém sabe dizer para onde vão essas pessoas que, agora, estão nas ruas. Mas não é possível ignorar a quem serve a dispersão de objetivos, oportunamente confundida com o florescimento supostamente espontâneo de múltiplas demandas de cidadãos anônimos.

* por Sylvia Debossan Moretzsohn, jornalista, professora da Universidade Federal Fluminense, autora de Repórter no volante. Artigo publicado originalmente no site Observatório da Imprensa




Lido 1563 vezes

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

VAGAS DE ESTÁGIO

agenda

art creasp